Notícias

Sem garantia de Alckmin, estudantes não desistem de ocupações de escolas

Protestos continuarão, nas instituições de ensino ou nas ruas, garantem. Não há razão nenhuma para ter escola hoje invadida”, disse o governador

Os estudantes de São Paulo não definiram se as escolas serão ou não desocupadas depois de o governador Geraldo Alckmin (PSDB) revogar o decreto da reorganização escolar e suspender o projeto no ano de 2016, na última sexta-feira (4). Eles exigem que o governo do estado venha a público explicar como será a suspensão do projeto e como serão conduzidas as reuniões com as escolas. Até lá, os secundaristas prometem seguir mobilizados, nas instituições de ensino ou em protestos de rua.

“Nós queremos saber como será essa suspensão. O governador disse que vai ouvir a sociedade, mas que garantia temos que nossas reivindicações serão acatadas? Que garantia temos que no final do ano que vem ele não chegará com o mesmo projeto?”, disse o estudante Samuel Marques, da escola Pereira Barreto, na zona sul de São Paulo. “Nesta semana vamos continuar os protestos em busca de um pronunciamento público do governador sobre quais serão as medidas que envolvem a suspensão da reorganização.”

O Decreto 61.692 foi publicado sábado (5) no Diário Oficial do Estado de São Paulo, revoga a medida publicada no dia 30, pelo Decreto 61.672, que abria caminho para a “reorganização” escolar. Após 25 dias de luta dos estudantes, Alckmin veio a público na sexta-feira e disse que o que seria implantando em 2016 será debatido “escola por escola”. O secretário estadual de Educação, Herman Voorvald, pediu demissão da pasta no mesmo dia. A decisão foi comemorada pelos estudantes, professores e comunidade como a vitória parcial.

O governador afirmou hoje (7) que não vê razão para que as escolas estado continuem ocupadas pelos estudantes. “Não há razão nenhuma para ter escola hoje invadida. Se a causa era essa, agora é retomarmos as aulas para poder, o mais rápido possível, concluir o ano letivo. Esse é o objetivo”, disse em entrevista coletiva para anúncio da criação de um plano de combate à dengue, febre chikungunya e vírus Zika. “Nós vamos adiar (o projeto de reorganização) e vamos fazer esse diálogo, especialmente com os alunos, os pais dos alunos e o corpo docente.”

O próximo ato dos estudantes está marcado para quarta-feira (9), às 17h, no vão Livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na avenida Paulista. Na sexta-feira (11), será a próxima reunião do comando das escolas ocupas, na escola Antônio Manoel Alves de Lima, na zona sul, quando devem ser definidos os próximos passos do movimento.

Hoje, o total de escolas ocupadas chega a 189, sendo 76 na capital, segundo o último levantamento do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp). As Diretorias de Ensino de Sorocaba e Santo André também permanecem ocupadas.

A última reunião do comando das escolas ocupadas, realizada ontem, em Diadema, reuniu representantes de pelo menos 100 ocupações. Os alunos anunciaram que continuarão na luta contra a reorganização, “seja ocupando as escolas ou as ruas”, segundo nota publicada pelo movimento em sua página, no Facebook.

“Exigimos que o projeto da reorganização escolar seja permanentemente cancelado, e que o governador Geraldo Alckmin faça um pronunciamento claro e concreto através de uma audiência pública amplamente convocada”, continua o texto. “Exigimos punição aos policiais que agrediram ou ameaçaram os estudantes e o fim de todos os processos contra alunos, funcionários, professores ou apoiadores e que não sejam perseguidos ou criminalizados pela direção ou qualquer meio de repressão.”

A “reorganização” escolar, elaborada sem diálogo prévio com a comunidade escolar, previa o fechamento de pelo menos 93 escolas e a transferência de 311 mil estudantes. À revelia do clamor social e de críticas das principais universidades do país, o governador decretou no dia 30 a transferência de professores para a implementação da reorganização e começou uma onda de ataques violentos aos estudantes, com a Força Tática da Polícia Militar.

Deixe um comentário