Notícias

Professores paulistas suspendem greve, mas dão ultimato ao governo tucano

Reunidos no vão livre do MASP (avenida Paulista) na tarde desta quinta-feira, 8, cerca de cinco mil integrantes do Magistério decidiram suspender a greve que completava exatos 30 dias.

A avaliação é que a intolerância do governo, que não abriu negociações e tomou várias medidas para intimidar os grevistas, acabou deixando a categoria sem perspectivas e houve um refluxo.

A mobilização continuará através de várias ações aprovadas pela assembleia. Dia 7 de maio é a data limite aprovada pela categoria para a apresentação de contrapropostas por parte do governo. Neste dia, os professores realizam nova assembleia para debater e aprovar os encaminhamentos.

*Mobilização permanente*
A greve foi suspensa mas mantém-se a mobilização permanente para forçar a negociação e o atendimento das reivindicações.

Logo após a assembleia, nesta quinta-feira, a APEOESP contatou a Secretaria e conseguiu agendar a primeira reunião para o dia 13 de abril, às 11h30. Portanto, conforme deliberação da assembleia, as subsedes da Capital e da Grande São Paulo devem organizar os professores para manifestações em frente à Secretaria da Educação já na terça-feira, demonstrando ao governo que a luta continua. Na tarde do dia 7 de abril, durante reunião entre as entidades do Magistério e o secretário da Educação, a diretoria da APEOESP reafirmou todos os pontos da pauta, inclusive o pagamento dos dias parados. O secretário não apresentou qualquer proposta, mantendo a posição de não conceder reajuste, mas comprometeu-se a instalar negociação. Também não acatou o não desconto dos dias parados, afirmando que fará o pagamento na medida em que as aulas forem repostas. A APEOESP vai insistir no não desconto, por todos os meios possíveis. Também vamos reforçar a pauta de reivindicações, conforme aprovado em todas as instâncias do Sindicato.

*Ações mobilizatórias*
É de suma importância que a mobilização seja intensa em todas as regiões do Estado. O Sindicato produzirá materiais denunciando as políticas adotadas pelo governo que prejudicaram a escola pública e seus profissionais. Como parte destes materiais, elaborará cartazes com o ranking dos salários de professores de todo o Brasil, mostrando que SP caiu da 11ª para a 14ª posição. Produzirá uma cartilha que poderá ser usada pelos docentes durante as aulas, denunciando o caos na educação paulista instalado pelas administrações do PSDB. Serão também disponibilizados à comunidade escolar aerogramas pré-pagos solicitando do governo o atendimento das reivindicações em defesa da melhoria da escola pública.

Também ficaram definidas medidas envolvendo a Sede Central e subsedes do Sindicato para a constituição de um fundo de greve que servirá para atendimento de necessidades emergenciais dos professores que poderão ficar sem salários devido à greve, caso a questão dos dias parados não seja resolvida até o próximo pagamento.

*Demissões são ilegais*
Na reunião com o secretário da Educação, ocorrida às vésperas da assembleia, a APEOESP denunciou medidas arbitrárias que vinham sendo tomadas por dirigentes regionais de ensino, entre elas a demissão de professores temporários “categoria O”. O secretário negou que tenha tomado tal decisão e afirmou que o DRHU orientaria os dirigentes a revogarem esta medida.

Todo e qualquer caso de demissão de professores em razão da greve deve ser imediatamente comunicado à Presidência da APEOESP e os professores prejudicados devem buscar o departamento jurídico para que sejam tomadas as medidas cabíveis. A APEOESP também levará à mesa de negociação a reivindicação de alteração na lei complementar 1093/2009, no sentido de que os professores “categoria O” sejam equiparados aos “categoria L”, ou seja, que possam permanecer na rede estadual de ensino, sem interrupção, até o final de 2011.

*Subsedes devem organizar caravanas de aposentados à Alesp dia 13*
A Assembleia Legislativa (Alesp) iniciará na próxima terça-feira, 13, a votação do projeto de lei que prevê a incorporação da GAM , em três parcelas, para os professores da ativa e aposentados. É importante que as subsedes organizem caravanas de aposentados para participar da sessão plenária e pressionar os deputados a aprovarem emenda que prevê a incorporação da GAM para os aposentados numa única parcela.

Os nomes dos(as) aposentados(as) que comparecerão à Alesp devem ser comunicados imediatamente à Presidência da APEOESP (até, no máximo, dia 12/04), através do e-mail [email protected] endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email

Diretoria da APEOESP

Deixe um comentário